Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
João Marqueteiro
Rafael da Silva Claro


Nosso governador se vendeu como um gestor, mas ele é apenas um produto. Envolvido numa embalagem, ele é igual sabão em pó ou extrato de tomate.

Em 2016, foi eleito prefeito de São Paulo, mas não cumpriu o mandato. No primeiro dia, ele se disfarçou de gari. Sim. Doria convocou a imprensa, que madrugou para reportar aquele acontecimento. Acelerando, na campanha para o Governo de São Paulo, 2018, vislumbrando uma iminente derrota, oportunamente grudou no popular Jair Bolsonaro e até adotou o ridículo codinome Bolsodoria. Revelando seu caráter, eleito, descolou de Bolsonaro e começou a detratá-lo.

Aí veio o vírus chinês. Mentira e marketing foram o método. Sempre pensando e ajustando cenário, vestimenta e tom de voz, ele empacotava sua coletiva fúnebre. Inventando um número ou consultando uma numeróloga, Doria arriscou ter salvado 25.000 vidas, depois 65.000! Escolha um número, tanto faz, ele também escolheu, baseado em nada.

Vazando, acidentalmente, que o médico infectologista David Uip -à época, líder do comitê de emergência, criado para combater a pandemia em SP- usou cloroquina para combater o coronavírus que havia contraído. A figurinha carimbada, do programa Flash do Amaury Jr., correu dizendo ser o “pai da criança”; depois voltou atrás, já que a narrativa não colou.

A esposa do governador, em conversa com a socialite (seja lá o que significa isso) Val Marchiori, estragou toda a intervenção estética cuidadosamente construída pelo cosplay de Riquinho Rico. A primeira-dama, -também é gestora do Fundo Social de São Paulo, que presta assistência a (vejam só!) pessoas em situação de vulnerabilidade social- explicando porque é contra dar marmitas aos sem-teto, colocou água no chope do marido. No pior estilo Mulheres Ricas, com direito a risadinhas, sem máscaras (se é que você me entende), eis sua ideia do que significa morar na rua: atraente, confortável, não exige responsabilidade, ou seja, segundo Bia, os sem-teto preferem morar nas ruas.

Depois de ver esse bate-papo high society, Guilherme Boulos irá fundar o MTSR - Movimento dos Trabalhadores Sem Rua.

Bia Doria é coerente. Cúmplice de João Doria, ela diz a moradores de rua: fiquem em casa.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 33874


Outros títulos do mesmo autor

Releases Brasil Paralelo Rafael da Silva Claro
Crônicas A bela e a fera Rafael da Silva Claro
Crônicas A placa avisou Rafael da Silva Claro
Crônicas Até tu! Rafael da Silva Claro
Crônicas Fogo no Parquinho Rafael da Silva Claro
Crônicas O Último Carnaval Rafael da Silva Claro
Ensaios Sai, coisa Rafael da Silva Claro
Ensaios Leite condensado de direita Rafael da Silva Claro
Crônicas Crônica de Gelo e Fogo * Rafael da Silva Claro
Ensaios Eis o malandro na praça outra vez Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 95.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 75784 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 61795 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 50169 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 49960 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 49507 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 49146 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 48880 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 48727 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 48685 Visitas
Um dia - Luca Schneersohn 48156 Visitas

Páginas: Próxima Última