Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A casa.
Jaeder Wiler

Resumo:
Conto surreal.

A casa
               Viajando há muitas horas, e com a noite chegando resolvi procurar um lugar para pernoitar. Estava longe de meu destino. O problema é que a estrada era deserta, não se via um posto de gasolina, e nem mesmo um hotel ou pousada. Era um ponto do percurso bem isolado.
               Continuei acelerando o carro em ritmo lento, na esperança de avistar um lugar onde pudesse parar e descansar, e como se alguém lesse meus pensamentos uma luz apareceu. A poucos metros dali uma estrada de terra sinalizava o caminho daquela esperançosa visão. Sai do asfalto, e dirigi alguns metros por entre uma extensa vegetação, cheias de árvores, todas floridas, com uma coloração roxa e amarela. Então uma enorme casa surgiu a minha frente. Aquelas da época das grandes fazendas, muitos quartos, e na maioria parede caiada de branco, e janelas azuis. Ri de satisfação em pensamento. Encostei o carro bem na entrada. Na porta da frente da casa uma argola de ferro colada na porta como campainha. Toquei duas vezes seguidas batendo forte. Alguns minutos de espera, e uma jovem de cabelos negros, e longos atendeu... Boa noite! Ela respondeu movendo a cabeça. Seus olhos negros brilhavam como as estrelas. Expliquei que viajava para o sul, e que estava muito cansado. Antes de concluir, um senhor, forte, e de cabelos brancos juntou-se a nós. Era o pai dela. Falei do meu destino. Terminando a explicação. Ele convidou-me para entrar, e apresentou-me sua mulher, dona Josefina, provavelmente com seus sessenta e cinco anos de idade.
Percebi nas paredes, enormes retratos emoldurados em quadros antigos. Á medida que eu caminhava dentro da casa, e para onde eu olhava, parecia que as pessoas dos retratos me seguiam com o olhar. Acredito que se tratava dos antepassados; avós, bisavós, etc.. Árvore genealógica da família com certeza!
          Entrei na sala, e sentamo-nos em confortáveis cadeiras de madeira almofadadas ao redor de uma grande mesa, também feita de madeira de lei e envernizada. Beleza de móveis. Ambiente amplo, típico de antigos casarões. Seu José, o pai era um homem sorridente, a mãe de cabelos enrolados e presos, parecia tímida. Ela se sentou perto de Celeste, filha, aparentando vinte e um anos de idade. Quem me recepcionou. Ela trajava um vestido branco, e muito apertado na cintura, bonito e elegante, com rendas. Parecia ter saído daquelas filmagens bem antigas. Extremamente bela, rosto e corpo de protagonista.
        Puxei uma conversa trivial, há quanto tempo moram aqui, e a que distancia estávamos da cidade mais próxima, e ou de algum povoado. Desconversaram... Não responderam nenhuma das minhas perguntas. Queriam sim; saber de mim. Uma curiosidade que achei exagerada. Parecia que não recebiam visitas há muito tempo. Quem eu era, onde morava, se era casado? Como era a vida nos dias de hoje? Frase que me chamou a atenção. Quase perguntei se conheciam a cidade, os shoppings, cinemas e outras coisas da vida urbana. Fiquei quieto deduzi que por algum motivo viviam isolados e continuei a responder às perguntas. A linda Celeste não tirava os olhos de mim. E se seus pais percebessem aqueles olhares, pensei. Eu não podia correr o risco de produzir nenhuma antipatia. E consegui, conversamos até altas horas da noite, serviram-me algo que não era café, e nem era bebida conhecida. Tomei um pouco para não fazer desfeita...
          Ao olhar para um enorme relógio cuco de madeira que não funcionava. Lembrei-me de olhar meu relógio de pulso, e constatei que já era tarde. Pra lá de meia noite. Nem precisei pedir, ofereceram-me um quarto para dormir. Detalhe que me chamou a atenção, é que eles saiam e voltavam para a mesa numa velocidade incrível Era como se não tocassem os pés no chão. Achei estranho, não paravam quietos. Revezavam-se para ir, ora para um lugar, ora para outro lugar da casa. Mas não parecia um andar normal, e sim, correndo. Eram rápidos demais... Sumiam e apareciam num piscar de olhos. Parecia que estavam apressados, era como se vivessem a última noite. Confesso que fiquei incomodado. Para quebrar o silêncio, barulho de sapos e grilos, e de fundo, um coruja piava solitariamente.
Quando Celeste disse que ia arrumar o quarto, ela desafiou a lógica, foi e voltou em segundos. Rápido demais. O mesmo acontecendo com as saídas momentâneas do pai e da mãe.
      Apesar do sono. Insistiram tanto que resolvi aceitar um jogo de cartas antes de dormir. Prolongamos um pouco a conversa. Amenidades, gosto e não gosto. No decorrer da partida parecia que os conhecia há séculos. Eram simpáticos e muito falantes.
     Continuaram não respondendo as minhas perguntas; há quanto tempo moravam ali, de onde vieram? Desconversavam e falavam do presente. Ganhei não ganhei. O sono bateu forte, estava no meu limite. Dei boa noite a todos. Celeste me acompanhou até a porta do enorme quarto. Deu-me um beijo e disse que voltaria mais tarde. Fiquei surpreso, e ansioso.
        Não consegui esperar, dormi profundamente, Sonhei. Sonhei muito. Inclusive que Celeste dormia comigo. Um filme de curta metragem muito intenso, e ardente.
Ao amanhecer, quando o sol já havia despontado e os pássaros cantavam, levantei-me e sai pela casa á procura dos meus anfitriões. Soltei um bom dia, e nenhuma resposta. Aumentei o volume da voz e obtive novamente o silêncio... Caminhei até a cozinha e levei um susto, não tinha ninguém, e também não tinha nada; fogão, panelas, copos, utensílios, coisas básicas. Seguramente aquela área da casa não era usada há séculos. Fiquei sem saber o que pensar. Voltei para a sala, como não tinha ninguém fui até o carro. Ele estava no lugar, que bom, pensei! Voltei para dentro do antigo casarão e quase gritando disse olá, alguém acordado? Nenhuma resposta. Resolvi olhar nos quartos para me certificar se dormiam. Levei um susto, os quartos estavam com os móveis cobertos com lençóis brancos, e cobertos de pó. Cena típica de casa mobiliada e abandonada há tempo.
Misteriosamente não havia ninguém em nenhum dos outros quartos. Soltei a garganta, e gritei. O silêncio novamente foi á resposta.
Sem entender nada, e muito assustado resolvi dar uma volta, pelos arredores da casa. Caminhei até os fundos. Lá encontrei o que parecia ser um cemitério. Vários túmulos e com o mato tomando conta. Olhei e vi que as três primeiras lápides tinham os nomes dos meus anfitriões: Sr. José, Dona Josefina, e Celeste, todas datadas do ano de mil novecentos e dezessete, ou seja, datados de cem anos atrás. O medo correu solto por todo meu corpo. Fiquei apavorado. Morreram os três juntos? O que teria acontecido... E do lado delas uma nova cova aberta(nova), pronta para ser usada. Suei frio. Corri. Entrei no carro com o coração acelerado. Na saída, ainda vi uma placa na frente deste imóvel. Vende-se. Pisei fundo e parti...
jaeder wiler
jaeder wiler


Biografia:
Nascido em Mantena, MG, escrevo por que gosto, sem nenhuma pretensão, apenas escrevo...contato jaederwiler@gmail.com
Número de vezes que este texto foi lido: 136


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Moça bonita Jaeder Wiler
Crônicas Dona cegonha, por favor! Jaeder Wiler
Poesias Marias que iluminam as noites Jaeder Wiler
Crônicas Andarilho Jaeder Wiler
Poesias Que idade você tem? Jaeder Wiler
Poesias Quando você apareceu Jaeder Wiler
Poesias O balanço... Jaeder Wiler
Poesias O barquinho azul Jaeder Wiler
Poesias Quem é você Jaeder Wiler
Crônicas Filosofando... Jaeder Wiler

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 38.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 69535 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55943 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 48537 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44679 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44321 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43940 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 43242 Visitas
viramundo vai a frança - 43189 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41945 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41577 Visitas

Páginas: Próxima Última