Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Por que perdão?
teresa armando elios da silva

Resumo:
Por que perdâo? Para que a vida, a autoestima, alegria voltem a conviver com voce. A falta dele aprisiona, envelhece, nos deixa secos interiormente. Gradativamente exercendo o autoconhecimento e a aceitação do que não pode ser mudado, ele vai se instalando no seu coração.

POR QUE PERDÃO?

Comumente ouvimos alguém dizer:
_ Quem perdoa é Deus, quem sou eu para perdoar?
_ Eu perdoei, mas não esqueço o que me fez e não quero perto de mim.
Deus nos ensinou a amar o próximo como a nós mesmos, porque ele queria nos mostrar que aquilo que tanto aponto no outro, eu também posso fazer em um momento impensado, e aí?
Em que eu me diferencio do outro?
Quantas vezes já pedimos para o outro:
_Esquece, falei sem querer.
_Vamos conversar, me desculpa.
_Me perdoa, volta para mim.
_ Não fica com ódio de mim, por favor.
E aí, o seu perdão, o seu pedido de desculpas, está no poder do outro, o que será que ele fará?
O que é perdoar?
Esta palavra é muito forte, pesada e definitiva e precisa de um entendimento maior para tal.
Vamos lá, um pai pedófilo, estrupador, uma mãe relapsa que abandonou o filho, o assassino do seu filho, quem te fez “saco de pancadas” uma vida inteira,...
E agora, como agir?
A dor é tanta que parece que o coração vai explodir, não nos imaginamos capazes de perdoar, mas a situação já existiu ou existe, não há como mudá-la, precisamos aceitar ou enlouquecemos.
Como aceitar?
É forte, pesado, mas não tem outra alternativa, senão a de aceitar, a vida tem de continuar apesar de.
Qual o caminho?
Reviver toda a situação nos mínimos detalhes, por mais que doa, quantas vezes forem necessárias, nestes momentos chore, xingue, bata mentalmente e depois crie uma bolha em sua mente e coloque a situação com todos os envolvimentos, faça isso diáriamente, fale com esta bolha, encare as pessoas que estão dentro dela, fale com elas, mentalmente, tudo que sente vontade.
Depois deste desabafo, olhe-se no espelho e diga bem alto, eu mereço ser feliz, este ser que me estrupou, matou meu filho, violentou a minha família, ele é um infeliz, eu tive a oportunidade de conviver com quem eu amei, como será que ele está agora?
Continue o seu trabalho de desabafo mental e se pergunte e ouça a resposta que o seu coração lhe dará:
_ Eu poderia ter evitado o que aconteceu e não evitei?
_ Eu “empurrei com a barriga”, eu fingi que não estava acontecendo nada, eu fantasiei, “endeusando” esta pessoa, achando que ela não seria capaz de me magoar?
Ouça as respostas e não se culpe, não temos o controle de tudo, os nossos pais, filhos, também são imperfeitos, cometem erros, não posso impedir que num momento de raiva, de desvio de caráter, me violente, mate o meu filho,...Como vou fazer isto?
Coloque toda a sua dor nesta bolha e chore, coloque para fora e deixe esta pessoa ir, solte-a, a liberte e se liberte.
Quando menos você esperar, a dor se foi, o seu pai pedófilo, o estrupador, o assassino do seu filho, o seu companheiro violento, foi. O que ficou foi o sentimento de alívio, não se sinta suja, covarde por não ter tido forças para reverter a situação, culpada por não ter enxergado o que estava acontecendo ou para acontecer, não pense que sua vida acabou.
O sentimento do perdão já começou a brotar e você nem percebeu.
Começa pelo alívio, pela aceitação do que não pode ser mudado , da recuperação da sua autoestima e apoio ao seu ente querido que foi prejudicado, oração pelo criminoso, assassino e por quem você perdeu.
Tudo demanda tempo, fé, foco na vida, gratidão pelo conforto que recebe ou recebeu de terceiros, fé muita fé, não querer se vingar, não cometer suicídio.
O perdão já está instalado. Perdoar não é esquecer, fingir que nada aconteceu, que a dor não existiu, é não sentir a dor da mesma maneira de quando tudo aconteceu, é sentir que está havendo aceitação do que não pode ser mudado.
Oração da Serenidade:
_Senhor, conceda-me a serenidade necessária para aceitar o que não pode ser mudado e mudar o que eu posso, discernimento para diferenciar uma situação da outra.


Biografia:
Sou assistente social e gestora do terceiro setor, trabalho com autoconhecimento direcionado a crianças, adolescentes e suas famílias.
Número de vezes que este texto foi lido: 33882


Outros títulos do mesmo autor

Artigos EU E O MUNDO teresa armando elios da silva
Artigos SISTEMA PRISIONAL teresa armando elios da silva
Artigos Orgulho ou tendências? teresa armando elios da silva
Artigos REFLEXÕES teresa armando elios da silva
Artigos ALCOOLISMO E SEUS REFLEXOS teresa armando elios da silva
Artigos LIBERDADEXAUTOCONHECIMENTO teresa armando elios da silva
Artigos AMAMOS A NOSSA FAMÍLIA? teresa armando elios da silva
Artigos IMPLOSÃO MENTAL teresa armando elios da silva
Artigos SEPARAÇÃO RESOLVE? teresa armando elios da silva
Artigos CASA TRANSITÓRIA teresa armando elios da silva

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 22.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
LÍRIO - Alexsandre Soares de Lima 48185 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 47796 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 47491 Visitas
A tristeza no Nordeste - Wanessa Daiana de Brito 47358 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 46842 Visitas
Um dia serei algo - José Rony de Andrade Alves 46358 Visitas
Tempo - Luiz Fernando Sacramento Lusoli 46060 Visitas
Pou, a Majestade Não-Zoombi - Alice Silva 45831 Visitas
Conexão - Luca Schneersohn 45748 Visitas
Amanhã não saio fico em casa - Martinho do Rio 42667 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última