Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
MATA-BORRÃO
DIRCEU DETROZ

Na nossa selva de concreto
abominamos os derradeiros,
eles não têm vez,
nem aceitamos o talvez
bajulando os primeiros.

Uma cegueira,
uma surdez.

Mudos,
deixamos que os ventríloquos
falem por nós.

Revolucionários,
pichamos o mata-borrão.

Seguindo as manadas,
pisoteamos os jardins
para apreciar
a paisagem morta.


Biografia:
Sou catarinense, natural da cidade de Rio Negrinho. Minhas colunas são publicadas as sextas-feiras, no Jornal do Povo. Uma atividade sem remuneração.Meus poemas eu publico em alguns sites. Meu e-mail para contato é: dirzz@uol.com.br.
Número de vezes que este texto foi lido: 28752


Outros títulos do mesmo autor

Poesias JARDIM SECRETO DIRCEU DETROZ

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 991 até 991 de um total de 991.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
CESSOU O DESENCANTO - Alexsandre Soares de Lima 0 Visitas
Anamnese - Flora Fernweh 0 Visitas
Re(sem)volta - Flora Fernweh 0 Visitas
Discurso politicamente correto - Flora Fernweh 0 Visitas
Os desafios omitidos pelas películas - Flora Fernweh 0 Visitas
Cercar - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior