Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Eu sou rio
Daniele Alice

Eu levantei a barra de minha calça,
Eu pus meus pés sobre aquele chão molhado
E me aproximei do que me aparentava ser um rio
Mas meus olhos estavam vendados e nada encontrei
Por fim, não pude molhar meus pés.

Mas eu estava pronta para atravessar
Apenas deixar a água fluir e banhar meus cansados pés
Mas os meus olhos estavam vendados;
Vendados a ponto de ilusionar um rio.
Esse rio nunca chegou até mim

Pisei em um solo terroso e meus pés choraram
Foi uma dor profunda e inexplicável.
Meus joelhos se dobraram perante o poço vazio
E ainda assim, eu não encontrei água.

Cansada e dilacerada, preenchi o poço com minhas lágrimas
Ao fim de tudo, percebi que eu era minha própria água.
Minha venda caiu e pude olhar ao meu redor.

O sol que chegava aos meus olhos queimava minha alma
Ele ardia, mas me mostrava aquele   rio
Em um suspiro, peguei minha venda e atirei-a rio abaixo.

Percebi, por fim, que eu era o rio.
Nunca mais esquecerei que eu sou minha própria água.
Repleta de mim, nunca mais sentirei sede de você.

Número de vezes que este texto foi lido: 39


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Eu sou rio Daniele Alice
Poesias Paredes Daniele Alice


Publicações de número 1 até 2 de um total de 2.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
Sing - um gorducho no pedaço - Caliel Alves dos Santos 1 Visitas

Páginas: Primeira Anterior