Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O BENEFÍCIO DA DÚVIDA
...
orivaldo grandizoli

Resumo:
...

O cão te dá o benefício da dúvida.
De duvidar de si, de seus atos.
. . .
Vejamos...
. . .
Você está no trânsito e é fechado por um ônibus, involuntariamente.
Desce do seu carro vociferando, se lembra da arma
que está no porta-luvas, volta e a apanha,
engatilha e, sem mirar, atira.
O motorista do ônibus se abaixa para apanhar
um pedaço de papel que caiu do bolso, se desvia, por pouco.
A polícia faz a ocorrência, todos vão responder em liberdade,
você volta para casa, guarda o carro na garagem
e o cão te recebe com alegria.
Para ele você é o melhor dos homens, lambe a sua mão,
a mesma que atirou sem saber o destino da bala.
O cão não tem dúvida.
. . .
Você experimenta o açaí que pediu no balcão. Detesta.
Acha que está rançoso.
Chama o atendente e sem mais e nem menos o atinge com um soco,
jogando-o contra o freezer ao fundo.
Irritado, se levanta e grita que não joga dinheiro fora,
o gerente se aproxima, receoso, pede para que se acalme,
um senhor se levanta e diz que é policial, chama a polícia,
que faz a ocorrência, você vai responder em liberdade,
volta para sua casa, guarda o carro na garagem
e o cão te recebe com alegria.
Para ele você é o melhor dos homens, lambe a sua mão,
a mesma que socou o rapaz sem saber bem o que fazia.
O cão não tem dúvida.
. . .
Você vai ao restaurante numa noite de sexta-feira, junto com a esposa,
se sentam ao fundo, pedem a carta de vinhos, escolhem, brindam, riem,
conversam sobre os filhos, a escola, as contas e, de repente, percebe
um homem, à sua esquerda, que vez ou outra olha para a sua esposa.
Irritado, finge que tudo continua bem, mas se lembra que quando garoto foi traído pela primeira namorada, que encontrou
um rapaz mais bonito.
Olha para a esposa e a atinge com um tapa no rosto, violento,
e grita que ela o trai.
A esposa, perplexa, começa a chorar, limpa o batom,
sente a vermelhidão, se levanta e vai ao banheiro.
O homem que a observava se aproxima e, receoso, diz que estava tentando reconhecê-la, é um primo distante que veio
para a cidade para uma reunião LGBT que aconteceria daí a alguns dias.
Você, envergonhado, paga a conta, observado por todos,
chega ao carro e sua esposa lá está, ofendida, triste, magoada.
Chegam em casa, a esposa se tranca no banheiro,
não quer falar mais nada.
Você caminha pela sala e o cão te recebe com alegria.
Para ele você é o melhor dos homens, lambe a sua mão, a mesma
que esbofeteou a esposa no restaurante. O cão não tem dúvida.
. . .
Você não teve um bom dia no trabalho.
Como chefe, para dar o exemplo, deveria ter chamado seu subordinado
em sua sala, conversado com ele sobre aqueles papéis que deveriam
estar em sua mesa, explicado a urgência mas o repreendeu aos gritos,
chamou-o de incompetente, relapso, e outras coisas deveras pesadas.
Não o atacou fisicamente, mas nem era preciso.
Todos à sua volta se fecharam e o ambiente, que era pesado,
se tornou extremamente carregado de estranhas energias,
o que possibilita atos impensados, uns contra os outros,
belicosos, mortais.
Veste o paletó, desce ao térreo, pensa em ir a algum lugar
beber algo, se lembra que amanhã tem a audiência com o motorista
que quase matou, depois de amanhã deverá responder pelo soco
no atendente, todos os dias deverá repensar que tomou
uma atitude violenta contra a esposa, muda de rumo e
volta para casa um tanto quanto desgovernado, pensando
no que disse um dos poucos amigos, deveria fazer análise,
o que você acha uma bobagem, prefere continuar o mesmo,
o mesmo de sempre.
Chega em casa, guarda o carro na garagem, abre a porta da sala
e o cão vem lhe lamber a mão, chuta o cachorro que sai ganindo,
ele volta, chuta novamente, joga o paletó no sofá, bebe um whisky, bufa, sua mulher está na casa da mãe, seus filhos foram com ela,
está só.
O cão, receoso, volta mais uma vez e é chutado de novo.
Para ele você não é o melhor dos homens, já não lambe a sua mão,
a mesma de tantos atos nocivos, que o levaram à extrema solidão.
Ele está cheio de dúvidas.



Biografia:
Se a palavra vem da boca nasci quando a genealidade marcou touca e me pôs para cantar em voz rouca...
Número de vezes que este texto foi lido: 160


Outros títulos do mesmo autor

Poesias ASSIM POR DIANTE... orivaldo grandizoli
Poesias O SEGUINTE... orivaldo grandizoli
Poesias POR ACASO orivaldo grandizoli
Poesias O QUE FAZER? orivaldo grandizoli
Poesias ACONTECE orivaldo grandizoli
Poesias POEMA SEM PALAVRAS orivaldo grandizoli
Poesias PECADO DE UNIVERSO orivaldo grandizoli
Poesias PALAVRAS PERDIDAS orivaldo grandizoli
Poesias FLUIDEZ orivaldo grandizoli
Poesias PARTIDA orivaldo grandizoli

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 1958.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
Piscianas, as mulheres mais próximas dos sentimentos. - Nandoww 50435 Visitas
CULTURA AFRICANA E SUAS INFLUÊNCIAS NA CULTURA BRASILEIRA - Ismael Monteiro 48825 Visitas
CÉREBRO HUMANO - Tércio Sthal 43920 Visitas
Banco de Questões - China - Agrário Conrado 42094 Visitas
Banco de Questões - Japão - Agrário Conrado 39982 Visitas
The crow - The Wiki World - The Crow 37471 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 37273 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 34640 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 32835 Visitas
Japão - Era Meiji - Agrário Conrado 32404 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última