Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Joana
Ayane Camila de Araújo Silva

Todas as noites, mas essencialmente as quintas-feiras à noite, Joana ficava sozinha, mas o sozinha das quintas era diferente, pois eram os dias em que estar e ser sozinha estavam juntos em uma só pessoa e isso não incomodava Joana, pelo menos não as quintas. Esses eram dias em que Joana podia respirar tranquilamente, mas às vezes Joana pensava na sexta-feira e respirar ficava difícil, mas Joana se controlava e voltava apenas a ser quinta. De todos os seus discos ela escolhia o mais alegre, ela incrivelmente dançava ao som do penúltimo volume, vestia sua camisa mais confortável e quando cansava, ela fechava as portas de casa e ia ler no quarto, religiosamente estar só e ser só as quintas-feiras não incomodava, por que eram os dias em que ela podia adormecer lendo, e ser e estar não eram proibidos. Se chovesse Joana dançava mais e se o luar deixasse a noite mais quente Joana lia mais. E assim toda semana Joana só queria que as quintas-feiras fossem mais longas.
As quartas-feiras Joana costumava chorar, talvez de tristeza, talvez de emoção, as vezes por que nas quartas ser e estar incomodava muito. As terças-feiras ela não ligava muito para nada, ela sorria e chorava junto, nunca sabia muito o motivo certo, mas só chorar e sorrir ao mesmo tempo, já era motivo suficiente. As segundas-férias nada era certo ou errado, as segundas eram meio apagadas, Joana não ligava muito pra elas. Aos domingos a morte parecia mais perto, mas Joana atribuía a essa sensação o nome de apenas uma pequena vertigem, Joana não gostava muito da verdade aos domingos. Mas aos sábados ela passava sempre seu batom vermelho sangue, meio macabro para Joana, mas há quem ache atraente, pensava ela, era o dia em que se arrumar parecia certo, mas ela se sentia errada, aos sábados ela preferia a mentira. As sextas-feiras ela não sentia nada, ela sentia tudo, tudo o que negava, tudo o que existia e tudo que rasgava em sua face em todos os outros dias, mas nada durante os outros dias acalmava Joana como pensar nas quintas-feiras, nada era tão bom como as noites de quinta, nela Joana sentia e não tinha medo, ela era e não se desesperava, era o momento em que ela morria e era feliz e então voltava a respirar e tudo estava no seu devido lugar.


Biografia:
Escrevo sobre os sentimentos, jamais me julgue, jamais me limite.
Número de vezes que este texto foi lido: 28486


Outros títulos do mesmo autor

Contos Sol Ayane Camila de Araújo Silva
Contos Ela Ayane Camila de Araújo Silva
Contos Fernando Ayane Camila de Araújo Silva
Contos Amor à primeira vista Ayane Camila de Araújo Silva
Contos Marina Ayane Camila de Araújo Silva
Contos Como a vida é Ayane Camila de Araújo Silva
Contos Joana Ayane Camila de Araújo Silva
Contos Cristiane Ayane Camila de Araújo Silva
Contos Mundo Ayane Camila de Araújo Silva


Publicações de número 1 até 9 de um total de 9.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 55550 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 52848 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39198 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 34065 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 33286 Visitas
Amores! - 32756 Visitas
Desabafo - 32360 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31607 Visitas
Faça alguém feliz - 31234 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 31043 Visitas

Páginas: Próxima Última