Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A Profecia Lírica Do Fim Do Meu Tempo
johnmaker

As faces dessa lírica profecia
pede-me em sacrifício,
Sou um cordeiro de espírito tenro,
e carne macia,
Uma oferenda devorando as folhas,
Que construirão meu casulo;
Sobrenatural como a lagarta pelos galhos
preparando sua transformação,
A revelação que postulo.

Como um iogue me recolherei,
Sintonizando meu dial universal
como um réptil.
Uma salamandra deitada
acariciada por uma pedra,
Relaxando preguiçosamente ao sol,
Para ser o alimento
do teu prospero banquete,
Deixando de ser a criatura escondida,
Pela minha imaginação,
Para ser capturado num filme,
Em sua quinta dimensão;

Sigo sincronizado com a íris,
Que faz da lente um penoso torniquete,
O olho de Deus
no topo de uma cúpula,
Que segue o contorno do sol,
Do nascer ao seu poente pecaminoso,
Comparado a ti, com justo orgulho,
Cerzindo o céu que me parece
levemente com um tapete,
Cuidadosamente costurado
de sedosos retalhos azuis,
Onde nuvens radiantes
tem a brancura de um novelo,
E os fios quentes, triunfantes,
Como os velos de um carneiro.

De onde provéns em meus sonhos
quando estou deitado,
As vezes parece-me o céu estrelado,
Descortinando a madrugada
pelos furos de minhas telhas quebradas.
Onde lhe mantenho agasalhada numa aspiração
para que não padeça.

Eis me, na forma de um casaco
tosado pelos mistérios do universo,
Colocado sobre a tua aura
para que não adoeça.

Na historia deste dia profético,
Agitarão meu pequeno espaço,
Andorinhas de mudanças súbitas,
Como a chama erguida
em minha memória,
Que pousarão nas cordas do meu violão
cantando alegres solfejos,
Sabendo que não há mais tempo
para escondê-la de mim,
Onde estarás presa,
Nas primorosas substancias liquidas do desejo
de seu corpo molhado pelo suor,
Que emanará sofridos odores,
Lembrando o aroma doce das rosas...

Somente a cordilheira, seu altar mor,
Libertará meu coração
de suas clausuras,
Confundindo o ar rarefeito das montanhas,
Em que respiro com dificuldade,
Com teu sopro restaurador
que me acompanha.
Penso comigo,
Só os anjos sobrevivem as suas alturas,
No meio caminho
entre o céu e a terra,
Onde a leveza do som de suas asas
traz-me a saudade.

E nesta noite especial
farei minha cama no teu solo,
Nas reservas tênues de seu coração,
No viçoso planalto da sua alma
restaurada pela chuva,
Onde a água fresca corre
e leva meu ser,
A te desconhecer de tudo mais
que era sagrado.

Ouço musica nos galhos triviais,
Nas poças doces de sua verve
e languidos mananciais,
De onde minha vida escorre,
Numa afetuosa viagem
por dentro de mim,
Ouvindo o “sim” da assombração
de meu pobre homem,
Um alpinista perdido
nas passagens estreitas de seu labirinto,
Atravessando seus polos,
Circundando a terra,
Agindo por instinto,
Se agarrando a lembrança
do aconchego de seus braços,
Onde não podes mais me arranhar
com seu critério.
Deixando o amor para aqueles
que não desistem,
E dividem em paz o seu mistério.


https://www.youtube.com/watch?v=mR8FknWqIeY


...amar a ambos, ao Deus Invisível, repositório de todas as virtudes, e ao homem visível, aparentemente destituído de qualquer virtude, é muitas vezes, desconcertante. Mas a inteligência do homem está à altura do problema. A pesquisa interior não tarda em mostrar uma unidade em todas as mentes humanas: o forte parentesco dos motivos egoístas. Pelo menos nesse sentido, revela-se a fraternidade dos homens. Uma assombrosa humildade segue-se a este descobrimento nivelador. E amadurece em compaixão por nossos companheiros de jornada, cegos às potências curadoras da alma que esperam por exploração.
- Os santos de todas as épocas, senhor, sentiram essa mesma piedade pelas dores do mundo.
-Somente o homem superficial perde a receptividade às aflições do próximo, à medida que submerge em seu próprio e estreito sofrimento.
- A face austera do sádhu suavizara-se notavelmente. - Quem toma o escalpelo e pratica o dissecar de si mesmo, experimenta uma expansão de piedade universal. É aliviado das demandas ensurdecedoras de seu ego. O amor a Deus floresce em semelhante solo. A criatura volta-se finalmente para seu Criador, senão por outro motivo, ao menos para perguntar com angústia:
“Por que, Senhor, por quê?.”Através das ignóbeis chicotadas da dor, o homem é conduzido afinal à Presença Infinita, cuja beleza deveria ser a única e fasciná-lo.


Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 28543


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Acorda Amor johnmaker
Poesias Arrastando uma asa... johnmaker
Poesias Serifa das fontes johnmaker
Poesias Uivos do vento johnmaker
Poesias Sem Ilusão... johnmaker
Poesias Derretido feito manteiga johnmaker
Poesias Um Rio que Habita meu Coração johnmaker
Poesias Quis o destino ... johnmaker
Poesias Poesia Para Um Coração de Aço johnmaker
Poesias Tecendo O Seu Perfume... johnmaker

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 25.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 62318 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53885 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 42866 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39920 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 37778 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 37541 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 36921 Visitas
Amores! - 34975 Visitas
Desabafo - 34522 Visitas
Faça alguém feliz - 32945 Visitas

Páginas: Próxima Última