Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Não Tenho Mais O Céu
johnmaker


A agonia repousou em meu peito melodioso,
Como se fosse o inverno tenebroso
que me envolve,
Não tenho mais o céu,
nem o indicio de algo que soprava em tua alma;
Qual pólen que se dissolve,
flutuando nas manhãs ensolaradas;
Sua língua de fogo
apenas sussurrou em meus ouvidos e foi embora,
Avivando um cântico triste
que ouvi de sua boca sedosa,

Misturando-se às nuvens de poeira
que se postam ao entardecer
Nos dias quentes rendidos a monotonia,
Que ditaram as palavras lidas em seus olhos...

Aquelas que começavam a ser escritas
em meu interior
E moviam moinhos de sonhos,
Com seus dedos de poema a segurar minhas mãos
em seu faustoso silencio,
Fazendo-me planar como se a noite tivesse asas
E coubesse em mim todo seu amor...

Quis parecer que numa única noite
o inverno chegou
E o fogo devorador de quem tanto amou
trouxe apenas lágrimas aos olhos,
Ardeu como o jogo da chama incandescente
Que dançava displicente em meu cerne,
minhas profundezas,

Sentindo as incertezas de algo que se perdeu
Quando suas mãos se fecharam
E seu punho cerrou-se,
na mesma esperança das flores diuturnas...

Por pouco tempo
fez-me esquecer de que havia estrelas
Despercebidas numa nevoa fina e insistente
Quando em algum dia frio
a geada seduziu a grama,
Enchendo repentinamente de branco meu coração,
Com um grande lençol denso e vazio,
Desdobrado na cama
a sobrepor o meu espírito,
Antes encoberto, tão-somente,
pela rudeza de sua compaixão.

Compreendi que a minha ilusão
apenas se assentava
No colo arrependido dos montes
boleados pela distancia,
Esmerada em perder-se no horizonte
Sobre ondas de nuvens corriqueiras...

Dispersando-se como labaredas mudas e douradas quando o sol se foi,
A rugir eternamente,
pelo medo demasiado, como um leão em fuga,
Temendo ser ferido por este mesmo céu,
infinitamente triste e desamparado,
Que se enruga a cada mudança
que o vento faz no seu verão.

Esqueço-te,
como um reflexo no lago se desfaz,
Na paisagem generosa que me cede o tempo,
Porém, sei que em cada canto desta vida
uma brisa perdida seca o teu pranto,
Transformando-o no orvalho
convalescido pela andança do meu ocaso,
Onde Deus me cobre com um véu envelhecido.
E de noite,
pelos furos da renda puída,
Às vezes roída, dolorida,
Tua luz vem me preencher de esperança...



https://www.youtube.com/watch?v=k9_WMHWjz_4


Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 28506


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Acorda Amor johnmaker
Poesias Arrastando uma asa... johnmaker
Poesias Serifa das fontes johnmaker
Poesias Uivos do vento johnmaker
Poesias Sem Ilusão... johnmaker
Poesias Derretido feito manteiga johnmaker
Poesias Um Rio que Habita meu Coração johnmaker
Poesias Quis o destino ... johnmaker
Poesias Poesia Para Um Coração de Aço johnmaker
Poesias Tecendo O Seu Perfume... johnmaker

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 25.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 58068 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53114 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39366 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 35043 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 34203 Visitas
Amores! - 33494 Visitas
Desabafo - 33129 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31833 Visitas
Faça alguém feliz - 31809 Visitas
Vivo com.. - 31530 Visitas

Páginas: Próxima Última