Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Causos e provérbios funestos
Paulo Azze

Causo
        Nos velhos tempos por aqui, era costume prestar uma última homenagem ao falecido, levando-o por cortejo fúnebre até o cemitério municipal a pé. Os parentes e amigos levavam o ataúde sustentado pelas alças, pelas ruas da cidade.
        No caminho todo, as lojas abaixavam as portas e o transito se subordinava ao andar lento do cortejo, formando carreatas ás vezes de pessoas que nada tinham a ver. Destas, sem buzinar, os apressados torcendo para pegar logo a primeira esquina para se mandar.
        Tudo em respeito ao falecido e seus parentes. Isto sem contar o sino da matriz anunciando o início do cortejo, depois da missa de corpo presente.
        No trajeto, para chegar ao cemitério, era necessário descer a Avenida Benjamin Constante que ali terminava. Na época era conhecida como Rua Nova, não sei se por acaso, mas deveras adequado, descê-la era como ir desta para uma nova vida. Aliás era comum na cidade se referir a própria morte ou de outrem com termos como “descer a Rua Nova”.
        Pois bem, certo dia, o boy da imobiliária que me atendia, que por acaso ficava no meio da descida da tal avenida, compareceu na loja para entregar-me um documento.
        Como sempre, brincava com as nossas funcionárias e neste dia se dirigiu às mesmas dizendo que num enterro recente, presenciou fato no mínimo estranho: o fundo do caixão se soltou liberando o defunto.
        Pasmas, as meninas o questionaram do que aconteceu a seguir e ele muito espertinho foi logo dizendo:
        “O coitado do defunto é que mais sofreu, teve que ir agarrado nas alças para não cair e ficar para trás e perder o próprio enterro!”
        Não sei se foi fato de fato ou não, mas fica o aviso, antes de colocar o falecido no caixão, verifique se o mesmo é seguro e informe-se se a funerária é de confiança. Melhor ainda, quando der sinal de que vai desta para uma melhor, fortaleça o distinto com vitamina ou faça-o frequentar urgentemente uma academia para aguentar o tranco, ao descer a Rua Nova evitando imprevistos...

Outro causo
        A respeito me lembro de uma narrativa constante de um livro escolar FTD, produzida pelo IOR ou Irmão Osmundo Ribeiro, marista, emérito professor de português, e na época de 1958, o reitor do Colégio Marista daqui. Narrava o causo de um enterro de um falecido numa fazenda que teve de ser levado à cidade.
        Assim, colocaram o caixão numa carroça e o carroceiro, numa subida íngreme, naquela conversa mole com o parente na boleia, nem percebeu que o caixão foi escorregando até cair da carroça.
        Ao defunto, não restou outra alternativa senão correr atrás, pois o condutor e o carona não estavam nem ai, chegando à cidade esbaforido.
        O causo foi contado com requintes literários de que não me lembro mais e nem mesmo como terminou a funesta narrativa, mas me impressionou pois me lembrei. Fica ai a ideia para alguém aproveitar e escrever algo ...

Provérbios
        Aliás, um conhecido daqui, dono de uma loja de Materiais de Construção, sempre que brincava com ele por começar bem cedo na labuta, me respondia:
        “O dono do defunto é quem pega na cabeça “.
        Mas pasmem meus amigos, consultando o Google, verifiquei que é um provérbio português e nem sabia ser ele descendente...
        Em tempo, lá encontrei também:
        "Visitantes sempre dão prazer. Senão quando chegam, pelo menos quando partem."
        De qualquer forma, espero que não levem a sério, pois de minha parte foi um prazer tê-los aqui e que saiam igualmente deste modesto texto, mas lembrem-se de que: "Onde te querem muito, não vás amiúde." Ora pois pois..,

Nota:
        Não que queira estar a criticar, mas no site, constata-se que não é errado colocar o carro na frente dos bois, pois “onde vai o carro, vão os bois.” Infelizmente foi o que fiz, não revisando e aprimorando este texto, como recomendam os doutos mestres.

Leia mais: http://www.quemdisse.com.br/
____________________________________________________________
Leia este e os outros textos em: http://pauloazze.blogspot.com.br/


Biografia:
Somente um mineiro da engenharia aposentado, despendendo algum tempo tentando escrever alguma coisa, mesmo sem um estilo definido e muito menos qualquer pretensão. proseio@outlook.com
Número de vezes que este texto foi lido: 28526


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Nocaute no Theatro Capitólio Paulo Azze
Crônicas O tempo não parô Paulo Azze
Crônicas O Sonho Checheno Paulo Azze
Crônicas Há, a moda! Paulo Azze
Humor E tai o Personnalité sem classe!!! Paulo Azze
Humor Dilma na ONU Paulo Azze
Artigos Pirataria e seu valor abismal Paulo Azze
Crônicas Eu, o Jerry Adriani e a gafieira no Rio Paulo Azze
Humor Causos e provérbios funestos Paulo Azze
Crônicas O Rato Valente Paulo Azze

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 24.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 58921 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53347 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 42475 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39522 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 36143 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 35684 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 34390 Visitas
Amores! - 33974 Visitas
Desabafo - 33566 Visitas
Faça alguém feliz - 32131 Visitas

Páginas: Próxima Última