Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Efemeridade da vida
Raquel Matos

O que somos nós? De que somos feitos? Pergunto-me. Num nível mais rudimentar dir-me-iam que somos feitos de carne, ossos e de órgãos. Mas não é a isso que me refiro. Pergunto-me o que somos nós. Que coisa é esta que nos faz sentir um dia uma coisa, decidir outra no dia a seguir, todos os dias, uns a seguir aos outros. Domingo é depois de Sábado, segunda-feira é antes de terça-feira e a seguir vem quarta. O que é o dia de hoje daqui a trinta anos? Poderei lembrar-me dele ou não. Nunca saberemos quais são os dias que importam e aqueles que não. No entanto, a nossa vida, é o conjunto dos dias que importam e não importam. Unem-se todos numa massa indivisível que moldamos com as nossas ações. Mas será correto dizer que as nossas ações é aquilo que nos define? Penso que não. Há tanto que fica para lá daquilo que fazemos ou dizemos.

Flutuamos numa corrente apenas de um sentido. Flutuamos todos juntos dando encontrões uns aos outros, cruzando-nos com uns, ignorando outros – não somos mais que peixes de um cardume estrebuchando contra a corrente. A corrente que nos puxa mais um bocadinho todos os dias - cada vez mais perto do olho do remoinho. Peixes assustados que, com a cabeça fora de água, têm a lucidez do seu fim tarde demais. E no entanto na maior parte dos dias não conseguimos ver isto, e é bom que assim seja, ou viveríamos as nossas vidas aterrorizados.

Mais um dia que acabou. Mais um salto fora de água. Mais um empurrão. Somos soprados para longe, devagar, sempre muito devagarinho, para algo que desconhecemos. E no entanto vamos cegos, uns mais que outros, mas cegos. Passamos a nossa vida tentado decifrar as apalpadelas que vamos dando no escuro. Às vezes fugimos, outras vezes receamos, outras vezes arriscamos, no fim quem é que teve mais inteligência? O que fugiu, o que receou ou o que arriscou? Não sei, talvez saiba a resposta a esta pergunta no fim das coisas (se até lá acordar) enquanto isso vou mergulhando nos mais profundos abismos, sempre às escuras, sempre aos apalpões e aos encontrões, sempre incerta e desconfiada, e quando estou prestes a fazer a descoberta de uma vida sou arrancada por uma mão firme que me aperta a garganta e outra que me puxa pelos cabelos e me traz de volta à vida tal como ela é, ou aparenta ser, sou forçada a vir à superfície para respirar, para não me afundar e perder de vez, para voltar a ser mais um peixe na corrente e ter a segurança que proporciona ver outros na minha situação, iguais a mim, com o mesmo destino. De seguida, e quase tão de repente como me trouxe à superfície, essas mãos voltam a mergulhar-me e a sacudir-me, sustenho a respiração e engulo em seco e estou de novo nas profundezas.
Outras vezes, deixo-me levar, calma e pacífica, ondulo sem tempo e destino, deixo-me ser arrastada e deixo que os empurrões que levo me dirijam o caminho, mal ou bem que me interessa? No fim vamos todos dar ao mesmo. Não sou mais que uma baleia perdida no mar da consciência, mergulhando, voltando à superfície, mergulhando de novo. Este ciclo vicioso que me enrola, onda que me traz e me leva, para a frente e para trás, baloiço a qual estou amarrada. No fim, só restará a espuma na areia que será de seguida absorvida e é dessa forma que serei apagada.


Os dias passam. Amanhã será um novo dia que nada terá de diferente deste que está quase a acabar. Domingo é depois de Sábado, segunda-feira é antes de terça-feira e a seguir vem quarta.


Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 33761


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Efemeridade da vida Raquel Matos


Publicações de número 1 até 1 de um total de 1.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 51211 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 43629 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 43518 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 41572 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 41047 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 40880 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 40877 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 40734 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 40486 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 40408 Visitas

Páginas: Próxima Última