Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A calça preta
Condorcet Aranha

A CALÇA PRETA


       Apesar de contar com apenas oito anos, aquele menino era muito esperto e prestava atenção em pequenos detalhes. Gostava de acompanhar o avô a todos os lugares em que ia. Apesar de não se encontrarem muitas vezes, devido aos deveres escolares e os horários de aula, nos períodos de férias, aproveitavam ao máximo essa convivência.
       Uma das coisas que o menino Pablo mais gostava era acompanhar o avô em suas caminhadas matinais. Nesses passeios, o menino fazia uma verdadeira inquisição ao avô que, com sua experiência e paciência, respondia a cada pergunta, condimentando-as sabiamente com o tempero místico, levando o pensamento criativo do neto ao cume da curiosidade, e mais, improvisava novas histórias cuja argúcia e desenrolar eram moldados às expressões de indignação que Pablo deixava transparecer. Assim, acabava por deixar o neto perdido nos meandros da própria imaginação.
       Durante um período de estada na casa do avô, nas férias de julho, numa manhã muito fria, ao vê-lo arrumado, perguntou-lhe:
     -     Aonde vai, “vô” Wagner?
-     Vou “esticar as canelas”, “paquerar as mina” e “tomar uns goles” para recarregar as “pilhas”.
-     Puxa “ vô”, que confusão, não entendi quase nada.
-     Vamos lá Pablo, preste atenção: o “vô” vai andar a pé por aí, olhar as paisagens e pessoas que estiverem pelas ruas e depois beber um pouco de água para repor as energias.
-     Então, posso ir com o senhor?
     Apesar de ser tudo que Wagner queria escutar, inteligentemente, respondeu que sim, desde que a cama estivesse arrumada, os dentes escovados e as bochechas da avó molhadas “de cuspe” (beijadas).
-     Oba!...
    Poucos minutos depois, lá estava o passado e o futuro de mãos dadas, sob um agradável sol de inverno, formando uma imagem pura que diminuía aos olhos da avó parada na porta, enquanto o presente garantia a presença da felicidade.
    Entre tantos assuntos, a curiosidade de Pablo venceu seu constrangimento e perguntou para o avô:
    -     Por que o senhor só veste essa calça preta?
    Deixando um gostoso sorriso aumentar suas rugas, o esperto Wagner chegou próximo ao ouvido do neto e cochichou:
    -    Olha, ninguém pode saber o que estou lhe contando. Essa calça tem superpoderes, é mágica, por isso, agora, teremos que “selar” um compromisso e você fará um juramento de jamais contar esse nosso segredo. Se cumpri-lo, quando eu morrer você ficará com a “calça preta” de herança. Você quer?
-     Claro “vô”, como vamos “selar” esse compromisso?
-     É um ritual que teremos que cumprir. Vamos dar três voltas na praça, depois temos que pegar um ramo de hortelã e colocar dentro de um doce de leite partido ao meio. Aí, voltamos a dividi-lo, fechamos os olhos e cada um de nós pega uma parte, a que você pegar entrega para que eu coma e, a que eu pegar, você comerá. A seguir, ainda com as mãos sujas de doce de leite, faremos um cumprimento e diremos:
-     “Pelos poderes da calça preta, o nosso segredo”. Combinado?
-     Combinado.
     A partir daquele dia, Pablo nunca mais estranhou o avô com a tal da calça preta, muito pelo contrário, quando ele ia trocar o pijama para sair, o neto com o polegar da mão direita levantado, piscava o olho e dizia:
     -     Vá arrumar-se “vô”!
Durante algumas caminhadas com o neto, Wagner teve que improvisar façanhas de
superpoderes, para dar credibilidade à calça preta.
Em uma das vezes, ele pegou, dobrou e colou com um pedaço de fita adesiva, uma nota de R$ 5,00 nas costas da mão. Depois perguntou para o neto se queria tomar um
suco de frutas geladinho. Era uma manhã de sol quente, o menino aceitou na hora.   
     Logo em seguida, pôs a mão na cabeça e disse:
     -     Xi! Esqueci todo o dinheiro em casa...
-     Caramba “vô”! Viu só! Lá, se foi o suco gelado...
-     Nada disso Pablo, estou com a calça preta. Primeiro verifique se não tem mesmo nenhum dinheiro nos meus bolsos.
-     Nada “vô”... Nadinha... Está mais duro que “cabeça de português”.           
-     Tudo bem, darei um jeito nisso.
    Com as palmas das mãos voltadas para cima, Wagner colocou-as, cuidadosamente, nos bolsos e ficou esfregando-as contra o tecido para soltar o dinheiro, enquanto falava:
     -    “se nós merecemos o suco, calça preta, a nossa vontade faça”. Retirou as mãos dos bolsos e pediu ao neto que verificasse novamente os seus bolsos.   
     Ao encontrar a nota de cinco reais no bolso da calça, o menino deslumbrou-se, começou a rir, abraçou o avô e disse:
     -     Olha “vô” agora sim, acredito que sua calça é mágica. É demais...
-     Porém, se você contar o segredo a uma só pessoa, tudo estará acabado.
-     Nunca contarei o segredo. Nosso compromisso está “selado”, “vô”.
Noutra ocasião, quando eles passeavam por uma praça muito bonita, um cachorro
escapou das mãos de sua dona e enveredou furiosamente contra o menino. Wagner, sempre atento e muito cuidadoso, colocou-se à frente do neto protegendo-o e empurrando o animal com um dos pés. Embora sendo de médio porte, o cachorro, bastante bravo, conseguiu morder por duas vezes a perna de Wagner.
-     Nossa “vô” que cachorro bravo, fiquei com o maior medo.
Pedindo muitas desculpas e colocando-se à disposição de Wagner para ajudá-lo, caso
houvesse necessidade, a dona do cachorro estava constrangida. Mas, prontamente, Wagner desculpou a senhora e tranqüilizou-a ao afirmar que nada houvera de inconveniente. Despediram-se e seguiram os seus caminhos.
     Pablo estava matutando e bastante intrigado com o fato. Se o cachorro havia mordido a perna de seu avô por duas vezes, por que ele não esboçou nem uma cara feia e ainda disse à dona do animal que estava tudo bem?
     Pouco adiante, Wagner convidou o neto para entrarem na padaria. Pediu ao balconista quatro pãezinhos e dois litros de leite. Enquanto era servido solicitou ao neto que o aguardasse porque iria ao banheiro, “tirar uma água do joelho” (urinar). Logo voltou, pagou a compra e retirou-se com o neto, que já se apoderara da sacola com o leite e os pãezinhos.
     Chegando em casa, chamou a avó e entregou-lhe a sacola com as compras. Com muito cuidado, o menino perguntou ao seu avô se não estava machucado. Como resposta teve uma grande gargalhada. A seguir, o avô levantou a barra da calça e mostrou a perna.
      Pablo ficou indignado, pois além das grossas varizes da perna do “vô”, nenhum arranhão ou mesmo sinal ele viu.
     Wagner em seguida completou:
      -     Pablo; você esqueceu dos superpoderes da calça preta?
      -     Nossa “vô”! Não sabia que ela fazia tanta coisa assim...
     Após quatro anos, numa manhã muito chuvosa, Wagner não quis mais acordar. A consternação tomou conta da família.
      Sorrateiramente, o menino foi até o quarto do avô, apoderou-se da calça preta e escondeu-a em sua mochila.
      Durante o velório, ao aproximar-se do corpo do avô, Pablo percebeu que uma de suas pernas estava muito grossa, levantou um pouco a sua calça e viu que aquela perna estava enfaixada com muitas gazes. Como a perna mordida pelo cachorro, o menino ficou muito intrigado. Será que foi devido às mordidas do cachorro?
      Quando voltou para sua casa, a primeira coisa que fez, foi esconder a calça preta debaixo do seu colchão.
      Na amanhã seguinte, sem que ninguém o visse, colocou a calça numa velha caixa de plástico e enterrou-a no quintal, próximo ao limoeiro.
      Alguns dias depois, sua tia e sua avó, estiveram procurando a bendita calça, mas acabaram por desistir tendo em vista que ela era muito velha... Porém, numa coisa elas concordavam: “a calça preta sumira como num passe de mágica”. Além do mais o que poderia ter de valor em seus bolsos se Wagner era um simples aposentado do serviço público?
      Fiel ao compromisso “selado” com o avô, durante muitos anos, Pablo sequer mencionou um fato relacionado com a “calça mágica” a quem quer que fosse. Para ele, aquelas passagens tão felizes de sua infância deviam ser guardadas com exclusividade para serem contadas ao seu filho que, aliás, acabara de nascer. Com vinte e nove anos, publicitário por formação e bem casado, Pablo vivia, confortavelmente, já que a sorte lhe sorrira prematuramente, através e um bilhete da loteria federal.
      Certo dia, ao visitar sua mãe, enquanto ela se distraia com as gracinhas do neto “Vaguinho” , xará do bisavô, Pablo foi até o quintal e resolveu conferir se a caixa com a calça preta que havia enterrado próximo ao limoeiro, ainda estava lá. Para sua surpresa, tudo estava do mesmo jeito. Abriu a caixa com cuidado, retirou a “calça mágica”, colocou-a num saco de papel sem que alguém percebesse, guardou em sua sacola junto às roupas do filho.
      Ao voltar para casa, Pablo escondeu o saco com a calça preta em cima do guarda roupas. Afinal de contas, o que poderiam pensar dele com aquelas atitudes infantis? Porém, na primeira oportunidade em que ficou sozinho em casa, pegou a calça do avô e resolveu lavá-la para guardar entre as suas lembranças e, além do mais, serviria como uma prova concreta das histórias que contaria ao Vaguinho.
   Na lavanderia, antes de colocar a calça para lavar, mais por força do hábito, conferiu seus bolsos e surpreendeu-se ao encontrar ali uma carta. Colocou a calça na máquina de lavar e depois de ligá-la foi sentar-se na soleira da porta.
      Acomodado, retirou a carta do envelope e pôs-se a ler: “Pablo, se por acaso você lembrar da “calça mágica” e guardá-la, certamente, encontrará essa carta que hoje estou escrevendo. Lembra do dia em que o cachorro me mordeu? Pois é, eu sempre tive muitas varizes e por isso enrolava muita gaze na perna, por isso não fui machucado e aí, quando entrei na padaria com você e fui ao banheiro, espertamente, retirei toda a gaze da perna porque sabia que você me questionaria. Olha, após saber do médico que partirei amanhã e não poderei mais vê-lo, estou me despedindo de você... Deve ser assim. São forças contra as quais não podemos lutar e, a bem da verdade, nem queremos. Quando essas forças nos alcançam, sentimos uma sensação de conforto e paz tão boas que apenas nos entregamos. É como a brisa suave e refrescante que nos acaricia, enquanto uma melodia sublime nos envolve diante de cenas alegres do passado que antecedem outras cenas do futuro. A seguir, apenas dormimos com a certeza de que jamais teremos que olhar no espelho aquela cara toda enrugada, a boca murcha e ainda ter que fazer tanto esforço para dar apenas alguns passos. Bom! Chega de balelas. Parto muito feliz por saber que serás um homem honesto e vitorioso. Deixo-lhe um enigma numérico (08512) que um dia certamente decifrarás. Depois disso, a calça preta perderá a sua magia. Certo! Adeus, Pablo”.
      Extasiado diante do enigma, Pablo empalideceu, sentiu um forte tremor lhe percorrer o corpo e jogou a carta no chão. O enigma numérico era exatamente o número do bilhete com o qual ganhou o primeiro prêmio da loteria.
      Refeito do impacto correu até a máquina de lavar, desligou-a e ao abri-la só encontrou um grosso caldo preto e alguns botões. A calça estava tão podre que desmanchou.Voltou, rapidamente, até a área para pegar a carta, mas Rex, o seu cachorro, acabava de mastigar suas últimas migalhas.
      E agora? Pensou. O que me restou de concreto para mostrar ao Vaguinho para comprovar que as histórias que lhe contarei são reais?


Biografia:
Nome: Condorcet Aranha RG. 313.281 Órgão expedidor: Ministério da Guerra. CPF : 365568748-68 Natural de: São Gonçalo, Estado do Rio de Janeiro. Data: 29/01/1940. Endereço: Rua Mathilde Drefahl n° 44, Joinville, Bairro Floresta, Santa Catarina, Brasil. CEP. 89213-050. Telefone: 0XX – 47 – 3463.9813 Celular: 9973.8695 E-mails: condorcetaranha@brturbo.com.br wa.public@ig.com.br Escritor e Poeta Pesquisador Científico - Nível VI, aposentado pelo Instituto Agronômico (Campinas/SP} Governo do Estado de São Paulo. Doutor em Ciências, pela Universidade Estadual de Campinas/SP – UNICAMP. Farmacêutico-Químico, pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro / RJ. Publicações Científicas: 5 livros e 60 artigos nas mais conceituadas revistas, boletins e periódicos científicos. Artigos científicos no jornal “O Estado de São Paulo”. Colaborador dos jornais “Diário do Povo” e “Correio Popular”, Campinas, SP. (poemas, contos e artigos científicos); Colaborador do “Jornal de Serra Negra”, Serra Negra, SP. (poesias, artigos científicos, análise política e charges). Colaborador com crônicas para o jornal “A Notícia”, Joinville, Santa Catarina. Publicações literárias em dezenas de antologias. Premiações em concursos literários a nível nacional e internacional. Livros solo: “Versos Diversos” poesias 2001, “Histórias do famaliá” contos/crônicas 2003, “Sonhos ou Verdades”contos/crônicas 2006. No prelo para março de 2006: “Verdades em versos” (poesias e trovas) e “Sonhos ou verdades” (contos e crônicas). Membro Titular da Cadeira n° 25, Colegiado Acadêmico, nas Áreas de Letras e de Ciências do Clube dos Escritores de Piracicaba São Paulo, Brasil. Membro no Grau Superior da Ordem da Sereníssima Lyra de Bronze, Porto Alegre / Rio Grande do Sul. Brasil Academico da Accademia Internazionale Il Convívio, Castiglione di Sicília, Itália. Membro da Casa do Poeta Rio-Grandense, São Luiz Gonzaga/ Rio Grande do Sul. Brasil. Membro Correspondente da Academia Ponta-Grossense de Letras e Artes – APLA – Paraná. Brasil. Membro Correspondente da Casa do Poeta Rio Grandense, Porto Alegre/RS. Brasil. Sócio Honorário da Associazione Culturale ZACEM, Città di Savona, Itália. Sócio da ALPAS XXI – Associação Artística e Literária Palavras do Século XXI. Sócio da APPERJ – Associação dos Poetas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro. Nome: Condorcet Aranha RG. 313.281 Órgão expedidor: Ministério da Guerra. CPF : 365568748-68 Natural de: São Gonçalo, Estado do Rio de Janeiro. Data: 29/01/1940. Endereço: Rua Mathilde Drefahl n° 44, Joinville, Bairro Floresta, Santa Catarina, Brasil. CEP. 89213-050. Telefone: 0XX – 47 – 3463.9813 Celular: 9973.8695 E-mails: condorcetaranha@brturbo.com.br wa.public@ig.com.br Escritor e Poeta Pesquisador Científico - Nível VI, aposentado pelo Instituto Agronômico (Campinas/SP} Governo do Estado de São Paulo. Doutor em Ciências, pela Universidade Estadual de Campinas/SP – UNICAMP. Farmacêutico-Químico, pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro / RJ. Publicações Científicas: 5 livros e 60 artigos nas mais conceituadas revistas, boletins e periódicos científicos. Artigos científicos no jornal “O Estado de São Paulo”. Colaborador dos jornais “Diário do Povo” e “Correio Popular”, Campinas, SP. (poemas, contos e artigos científicos); Colaborador do “Jornal de Serra Negra”, Serra Negra, SP. (poesias, artigos científicos, análise política e charges). Colaborador com crônicas para o jornal “A Notícia”, Joinville, Santa Catarina. Publicações literárias em dezenas de antologias. Premiações em concursos literários a nível nacional e internacional. Livros solo: “Versos Diversos” poesias 2001, “Histórias do famaliá” contos/crônicas 2003, “Sonhos ou Verdades”contos/crônicas 2006. No prelo para março de 2006: “Verdades em versos” (poesias e trovas) e “Sonhos ou verdades” (contos e crônicas). Membro Titular da Cadeira n° 25, Colegiado Acadêmico, nas Áreas de Letras e de Ciências do Clube dos Escritores de Piracicaba São Paulo, Brasil. Membro no Grau Superior da Ordem da Sereníssima Lyra de Bronze, Porto Alegre / Rio Grande do Sul. Brasil Academico da Accademia Internazionale Il Convívio, Castiglione di Sicília, Itália. Membro da Casa do Poeta Rio-Grandense, São Luiz Gonzaga/ Rio Grande do Sul. Brasil. Membro Correspondente da Academia Ponta-Grossense de Letras e Artes – APLA – Paraná. Brasil. Membro Correspondente da Casa do Poeta Rio Grandense, Porto Alegre/RS. Brasil. Sócio Honorário da Associazione Culturale ZACEM, Città di Savona, Itália. Sócio da ALPAS XXI – Associação Artística e Literária Palavras do Século XXI. Sócio da APPERJ – Associação dos Poetas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro. Condorcet Aranha, Escritor,Poeta,Doutor em Ciências,Pesquisador-Científico, Farmacêutico-Químico.
Número de vezes que este texto foi lido: 29074


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Menino de rua Condorcet Aranha
Poesias Poema à consciência Condorcet Aranha

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 21 até 22 de um total de 22.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Peça - David Matheus Bioza Dos Santos 7 Visitas
Grande - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 7 Visitas
Piedade - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 7 Visitas
Amando - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 7 Visitas
Seus - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 7 Visitas
Oh - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 4 Visitas
NA VARANDA - Alexsandre Soares de Lima 2 Visitas
QUASE TRAGÉDIA - Alexsandre Soares de Lima 2 Visitas
Um estrangeiro no pedaço - Caliel Alves dos Santos 1 Visitas
Como fazer um perfil promissor no LinkedIn? - Antonio 1 Visitas

Páginas: Primeira Anterior